Inscreve-te e tem vantagens!

Million Dollar Baby(2004)

Há um mês | Drama, Desporto, | 2h12min

De Clint Eastwood, com Hillary Swank, Clint Eastwood e Morgan Freeman


Million Dollar Baby, o filme que saiu dos Óscares de 2005 como o vencedor em múltiplas categorias, nomeadamente Melhor Filme, Realizador, Ator Secundário e Atriz Principal foi realizado por Clint Eastwood no que foi a sua 25ª vez atrás das câmaras.

A história segue Maggie (Hillary Swank), uma mulher de 30 anos determinada a iniciar a sua carreira no mundo do boxe. Para tal, tenta convencer o duro e hesitante Frankie (Clint Eastwood) a ser o seu treinador.

O coração da obra é definitivamente esta relação entre Frankie e Maggie, como nasce e cresce ao longo do tempo. É familiar e tocante em múltiplos aspetos, com um certo terceiro elemento na forma de Scrap (Morgan Freeman), que trabalha com Frankie e é também o narrador. Este impulsiona a ligação entre as duas personagens principais e as suas respetivas ações, sendo assim uma espécie de compasso moral.

Deste modo, à medida que o amor entre as personagens cresce, o amor pelas personagens em si evolve simultaneamente e de maneiras diferentes. Maggie é uma figura constante de esperança, enquanto Scrap representa a bondade e é o típico de muitos outros papéis de Morgan Freeman. Por outro lado, Frankie demora mais a conquistar por ser tão ambivalente em comparação. No geral, Million Dollar Baby perdia muito se não tivesse este trio de atores que tem a liderar, sendo responsável por grande parte do seu sucesso e cujas interpretações são acentuadas com a realização.

Ao seguir o rumo da narrativa a um ritmo que não abranda, cria uma história muito bem contada e que apela mesmo a quem não adora filmes de desporto, como é o meu caso. Acaba por ter mais de 2 horas e passar num instante, ultrapassando alguns clichés como algumas personagens caricaturalmente vilificadas ao compensar com outros aspetos positivos. Como por exemplo, a banda sonora também composta por Clint Eastwood, que ao som do piano se move harmoniosamente com a sequência de eventos.

Não queria tocar muito no que faz este filme tão inesquecível, porque de facto é melhor ser deixado como surpresa já que é aí que reside grande parte do seu valor. Apenas revelo que é um tema bastante atual, que nunca deixará de causar debates acesos e interessantes. É sensível, mas acho que foi lidado de uma maneira muito bonita, uma vez que mostrou uma certa ambiguidade, alternativamente a uma perspetiva muito contrastante e unidimensional.

Ao começar, estava à espera de algo muito convencional e apesar de o ser nalguns aspetos isso não é totalmente condenável, visto que nunca perde o fator do entretenimento. Desta forma, Million Dollar Baby acaba por ser uma fusão inesperada de dois géneros diferentes. Acabei com uma hora de choro em cima e por isso não acho que vou querer reviver esta experiência assim tão cedo, mas certamente também não a vou esquecer. É uma obra que me vou lembrar por ser comovente e cheia de amor no que toca a uma das melhores duplas de sempre.


Margarida Nabais
Outros críticos:
 Alexandre Costa:   9
 Rafael Félix:   7