Inscreve-te e tem vantagens!

Dolittle(2020)

Há um mês | Ação, Comédia, Aventura, | 1h41min

de Stephen Gaghan, com Robert Downey Jr., Antonio Banderas, Michael Sheen, Jim Broadbent, Jessie Buckley, Harry Collett, Emma Thompson, Rami Malek, John Cena, Kumail Nanjiani, Octavia Spencer e Tom Holland


Robert Downey Jr. regressa com a Disney após a sua passagem triunfante em Avengers: Endgame (2019). É difícil não ter reparado que Dolittle tem sido assassinado por tudo o que é crítica. Por isso, também decidi passar o meu olho atento. Vamos a isso.

O que nos conta o filme?

O excêntrico Dr. John Dolittle (Robert Downey Jr.) é famoso por ter sido o médico e veterinário pessoal da rainha Victoria (Jessi Buckley). Mas após a morte da sua esposa, isolou-se do mundo, detrás dos muros da sua mansão, e tem como única companhia os seus fiéis animais. Pois, Dolittle tem a extraordinária capacidade de comunicar com eles. Subitamente, quando a jovem rainha fica gravemente doente, o Dr. Dolittle vê-se obrigado a embarcar numa aventura para uma ilha, procurar uma cura contra a doença.

Bem, vou começar pelos pontos positivos, porque são poucos. Se tiverem filhos com uma idade inferior a 5 anos, eles poderão passar um bom serão. O ritmo é agradável, não deseja ser revolucionário, não possui nenhuma maldade e é um filme de 1h30 (ainda bem).

Vamos agora ao que interessa. Porque é que Dolittle é tão mau?

O realizador não tem a mínima ideia daquilo que tem de filmar, ou como deve filmar. Sabendo que tem nas suas mãos um argumento extremamente pobre, tinha o dever de tentar sublimar o pouco dos seus recursos com alguma imaginação criativa.

Depois é o CGI. Minha Nossa senhora! Dá piedade a estes animais! Não estamos a falar de um filme com pouco orçamento. Estamos a falar de uma longa-metragem da Disney, com um enorme orçamento de 175M de dólares. Será que era muito caro contratar verdadeiros cães, papagaios, ratos ou patos? Nem estou a mencionar os ursos ou gorilas, só os animais pequeninos. Não há uma única coisa que não pareça fake. Robert Downey contracena com nada, e isso nota-se na sua atuação. Onde é que foi todo o orçamento do filme? Em drogas para os argumentistas? Para terem noção, Alita: Battle Angle (2019) tinha um orçamento inferior, e o aspeto visual é de outra categoria.

As relações entre as personagens são péssimas. A química entre Dolittle e o jovem Tommy Stubbins (Harry Collett) é nula – normal, a performance do jovem ator é aproximada do zero de carisma. Há um pico entre os dois numa cena, e ficam melhores amigos do mundo. E depois…aquele clímax… AQUELE CLÍMAX!!! Dragões com problemas gástricos? VALE TUDO.

O elenco não nos salva da tortura. Robert Downey Jr. tem um sotaque carregadíssimo, contudo, consegue trazer alguns pormenores engraçados com o urso Yoshi (John Cena) e o gorila Chee-Chee (Rami Malek). O restante do elenco vocal não traz qualquer ponto positivo – é pena tendo em conta os nomes. Michael Sheen e Jim Broadbent estão uma catástrofe.

O filme representa tudo o que odeio no cinema. Traz ao jovem espetador aquilo que ele quer ver, sem qualquer nuance. Seguimos sequências sem qualquer nexo, com uma comédia forçada. Dolittle é uma catástrofe industrial. Se tiverem mais de 5 anos, o desinteresse vai ser garantido.


Alexandre Costa
Outros críticos:
 Pedro Horta:   4