Inscreve-te e tem vantagens!

The Shawshank Redemption(1994)

Há 2 meses | Drama, | 2h22min

de Frank Darabont, com Tim Robins, Morgan Freeman, Bob Gunton, William Sadler, Clancy Brown e Gil Bellows


Para celebrar os 25 anos de um dos melhores filmes da História do Cinema, decidi rever e elaborar a crítica de The Shawshank Redemption. Muitos o conhecem por ser o filme que está em primeiro lugar no ranking do IMDB (com 9,3 de classificação). Se nunca viram esta longa-metragem, não leiam mais nada, não combinem planos para esta noite e reservem 2h20 do vosso tempo. Não se vão arrepender. Depois podem voltar a ler a minha crítica e sermos amigos.

Foi prazeroso rever esta Obra de Arte, esta Obra-Prima, este Masterpiece de Frank Darabont. The Shawshank Redemption é uma fábula sobre a prisão baseada na obra do mestre Stephen King.

O que nos conta o filme?

Em 1947, Andy Dufresne (Tim Robins) um jovem empregado bancário foi condenado a duas prisões perpétuas pelo assassinato da sua esposa e do amante dela. Embora Andy proclame a sua inocência, é rapidamente levado para Shawshank, a penitenciária mais controlada de todo o Estado de Maine. Solitário, conhece Red (Morgan Freeman) um homem que já se encontra detido há 20 anos. Rapidamente, começa uma grande história de amizade entre os dois homens. O tempo nesta prisão não é fácil. Um homem é capaz de tudo para sobreviver e não cair na loucura do quotidiano.

O arco de Andy Dufresne é fora do comum. Um homem que se diz injustiçado pela sua condenação perpétua tem de enfrentar um novo mundo, deixando todos os seus sonhos da vida de lado. Rapidamente, começa a controlar a contabilidade da prisão, dos guardas e ainda do diretor. Andy cria uma verdadeira biblioteca e uma ajuda educacional aos prisioneiros. Todas as transações fraudulentas do diretor passam por ele. O filme revela as injustiças, a corrupção e o abuso do poder.

A dupla Tim Robins e Morgan Freeman é sensacional. O primeiro tem o carisma necessário para carregar nos ombros toda a força da longa-metragem. O segundo, através a sua deliciosa voz, narra os acontecimentos da narrativa com brio. Todo o elenco secundário também é excelente. São todos desenvolvidos, não ficando nenhum de parte. Os antagonistas (o Captain Hadley – Clancy Brown e o diretor Warden Norton – Bob Gunton) também pesam na balança das excelentes performances.

Denunciando um sistema no qual os prisioneiros perdem a sua identidade e qualquer forma de dignidade, The Shawshank Redemption é um choque em abordar a violência quer física, quer psicológica. Corrupção, chantagem, assassinatos e pequenos deals entre guardas e detidos são abordados sem nenhum receio. Não é difícil acreditar que um homem que tenha feito cinquenta anos da sua vida na cadeia seja um homem quebrado emocionalmente. A reabilitação chega a ser a pena capital para alguns – “Brooks was here.”

As longas elipses temporais mostram a determinação e a paciência do protagonista perante todas as injustiças da vida. O único crime desta prisão é sonhar ser livre e fugir para um mundo melhor.

Frank Darabont realiza um filme dramático e poético. The Shawshank Redemption é uma viagem emocional para todos os espetadores, que marcará a vida de todos os que o viram. O final é perfeito, inesperado e magnífico. Uma ode à amizade e à vida jamais igualada. “Remember Red, hope is a good thing, maybe the best of things, and no good thing ever dies.”


Alexandre Costa
Outros críticos:
 Pedro Horta:   10
 Bernardo Freire:   9
 Raquel Lopes:   9