Se há um grande ponto positivo no filme é mesmo o aspeto técnico. Acho que o objetivo de Nolan foi conseguido.

Se há um grande ponto positivo no filme é mesmo o aspeto técnico. Acho que o objetivo de Nolan foi conseguido.

2017
Ação, Drama, História | 1h46min
de Christopher Nolan, com Fionn Whitehead, Mark Rylance, Tom Hardy, Kenneth Branagh e Harry Styles


Christopher Nolan é sem dúvida um dos realizadores mais falados e adorados desta geração.

Especialmente conhecido com a sua trilogia The Dark Knight (2005-2012), Inception (2010) Interstellar (2014) o realizador faz parte dos grandes deste século de cinema.

Christopher Nolan, na minha opinião, ainda me fez gostar mais da minha paixão pelo cinema. Acho a maneira dele de escrever guiões muito interessante. Filmes narrados não cronologicamente, uma grande procura de identidade pelos protagonistas transmitindo sempre uma luta psicológica, filmes realistas, onde o tema é principalmente uma procura de identidade.

Nolan é fã de Stanley Kubrick, venera a película, odeia a 3D, não gosta de digital, não usa telemóvel, quer transmitir o seu cinema de uma maneira mais realista possível. O que quero dizer com isso?

Mais uma vez demonstra neste filme, Dunkirk, que apenas utilizou verdadeiros barcos, verdadeiros aviões, filmou mesmo na praia de Dunkerque em França, querendo transmitir uma maior sensação de realismo. E de que maneira!

Se há uma crítica que é referida ao realizador, é principalmente sobre os seus diálogos, demasiados descritivos sobre as suas ideias no lugar de nos ser transmitido a explicação visualmente.

Então lançou-se um desafio novo, Dunkirk, um filme com muito pouco diálogo, sendo uma narração somente visual.

 

O que nos conta Dunkirk?

No início da II Guerra Mundial em 1940, cerca de 400 000 soldados britânicos, franceses e belgas entre outros se encontram cercados pelas tropas alemãs na praia de Dunkerque. A operação Dynamo é então aplicada para evacuar estes homens todos que estão presos.

O filme vai narrar 3 tramas em 3 timelines diferentes. Um grupo de soldados na praia, durante uma semana. Um grupo de civis no mar num barco durante um dia. E por último um grupo de pilotos, nos aviões pelos ares durante uma hora.  Onde por fim as ações se irão interligar.

 

A minha crítica é bastante pessoal, pois penso do filme não ser acessível para todos. Vou explicar o porquê.

Dunkirk é um survival. Nolan quer transmitir que o perigo está em todo o lado e não só nos bombardeamentos. Mais uma vez é um filme muito psicológico, é muito trabalhado pelo som, que está interligado com a reação dos personagens, dando um exemplo, por vezes ouve-se um avião a chegar (avião alemão, o inimigo) mas não o vemos, apenas se ouve, e através da reação do personagem conseguimos sentir o perigo apenas pelo som. Reparei que também não se vê um único alemão durante a longa toda, então imaginem o trabalho que Christopher Nolan teve para poder criar tensão e medo apenas pelos sons e expressões dos protagonistas.

Os atores impecáveis. Fionn Whitehead destaca-se pelas suas expressões, o protagonista não tem muito diálogo. Tom Hardy necessita apenas dos seus olhos para demonstrar todo o seu potencial de ator, sou um grande fã deste. Harry Styles também me surpreendeu.

A fotografia do filme é belíssima, será um pouco cedo para dizer, mas nos Óscares do próximo ano, irá ser falada a fotografia de Dunkirk. Cada plano é simétrico, cada detalhe no seu lugar cada cor importante, um trabalho de luz nas caras das personagens, neste filme mais que no resto da filmografia dele sentimos um ambiente escuro, stressante, digo isto porque há planos onde se vê um barco no meio do oceano, e sente-se o gigantismo do mar perante o tamanho do homem.

Se há um grande ponto positivo no filme é mesmo o aspeto técnico.

A música de Hans Zimmer é brilhante, como não há muitos diálogos, todas as cenas mudas, são acompanhadas pela música stressante deste, parecem um tic-tac de um relógio prestes a explodir.

Acho que o objetivo de Nolan foi conseguido, a maior parte dos perigos são bastantes stressantes, queremos que os personagens consigam sobreviver e fugir daquele inferno. Todas as partes que levam água (soldados a afogarem-se) são uma overdose de perigo e stress, tanto físico como psicológico.

Dunkirk é um filme sensorial, quem estiver à espera de um filme de guerra, onde hajam tiros, ação, sangue, confrontos físicos, ficará desiludido com o filme.

É realmente um filme para ver no cinema, para nos ser dado todo o poder sensorial que este nos quer transmitir, será uma pena perder este belíssimo filme nas salas obscuras.

Mais uma vez Christopher Nolan no topo da sua arte, um verdadeiro autor. Recomendo a todos os fãs do trabalho deste realizador e às pessoas que queiram ver um bom filme.

Este filme é sem dúvida mais uma obra de arte da sétima arte, que se adiciona a filmografia do realizador britânico.


por Alexandre Costa