O momento da queda das torres não foi, para mim, dramático o suficiente.

O momento da queda das torres não foi, para mim, dramático o suficiente.

2006
Drama, História, Thriller | 2h9min
de Oliver Stone, com Nicolas Cage, Maria Bello, Michael Peña, Connor Paolo, Anthony Piccininni e Maggie Gyllenhaal


World Trade Center. Um nome que estará sempre ligado a uma data: 11 de Setembro de 2001.

Nessa data, o mundo assistiu, perplexo, a um ataque que vitimou perto de 3.000 pessoas. Há 17 anos (como o tempo passa!), o mundo viveu um daqueles eventos históricos que transcende nações e classes. A ideia de que os Estados Unidos eram imunes a atos de terror foi violentamente retirada. Não por ter sido o primeiro ataque terrorista em solo americano, mas sim por ter sido o primeiro desta magnitude. Em resposta, George W. Bush, então presidente, lançou aquilo a que chamou Guerra ao Terror, criou o Departamento de Segurança Interna (Department of Homeland Security) e ampliou os poderes da NSA com o questionado Patriot Act.

World Trade Center é um filme realizado por Oliver Stone que relata a história verídica de dois polícias que ficam presos nos escombros de uma das torres. Nicolas Cage como John McLoughlin é a estrela principal do filme. As cenas iniciais são interessantes, mostrando o quão similar a outro dia qualquer aquele dia estava a ser. São detalhes mundanos, simples, mas que, face aos acontecimentos, significam muito. O primeiro avião colide com a torre, McLoughlin e a sua equipa dirigem-se ao local e é aí que o filme verdadeiramente começa. As cenas que se seguem são estranhas e confusas, o cross-over entre as cenas reais e do filme não é o melhor e a reação dos atores parece, por vezes, fora de tempo. No entanto, Michael Peña, que dá vida a Will Jimeno, tem momentos que criam suspense e horror (afinal, sabemos o que vai acontecer e estamos impotentes).

O momento da queda das torres não foi, para mim, dramático o suficiente. Esperava algo mais, um pouco mais de contexto e não só um foco nas personagens principais. Eu sei, o filme é sobre elas. A questão é que o filme chama-se World Trade Center – esperava uma amplitude maior. United93, que o meu colega Bernardo lançou ontem, conta uma história específica (a história dos passageiros do voo) e a interação com o que se ia passando com o controlo de tráfego aéreo e o exército, algo que eleva a ação dos passageiros: agiram quando ninguém conseguia. United 93, contrariamente a World Trade Center, relaciona a história com o contexto daquilo que é o 11 de Setembro. Ademais, e de acordo com o que fui dizendo, o filme ignora o horror do que se passou.

A atuação da Maria Bello como esposa de John é fraca, bem como a atuação dos atores que faziam de filhos do casal. Maggie Gyllenhaal, no papel de Allison Jimeno, por outro lado, tem uma exibição sólida, em comparação com Maria Bello. A atuação de Nicolas Cage é também um ponto positivo do filme, se bem que Peña foi o melhor dos dois.

Infelizmente, é um filme que não é suficientemente contextualizado, com falta de intensidade, e que tenta usar a carta das emoções para atrair espectadores. Os primeiros 45 minutos do filme mostram o bom de Oliver Stone, mas depois dessa marca a qualidade começa a cair. Pena. 


por Alex Duarte