O filme tem um bom ritmo e poderão passar um bom serão se quiserem ver um blockbuster de ação.

O filme tem um bom ritmo e poderão passar um bom serão se quiserem ver um blockbuster de ação.

2018
Ação, Sci-Fi | 1h52min
de Ruben Fleischer, com Tom Hardy, Michelle Williams, Riz Ahmed, Scott Haze, Reid Scott e Melora Walters.


Ruben Fleischer, realizador conhecido pelo seu trabalho em filmes que misturam comédia e horror, como na sua obra mais conhecida: Zombieland (2009) vê-se deparado como um novo projeto ambicioso e dos mais aguardados do ano: Venom.

Venom é a grande aposta da Sony Pictures Entertainment para demonstrar aos fãs que sabem fazer filmes do universo do nosso amigo Spider-Man – que foi emprestado à Disney (para o Marvel Cinematic Universe) devido às suas recentes falhas nas bilheteiras com The Amazing Spider-Man 2 (2014).

Venom tinha de ser um sucesso nas bilheteiras, e tinha tudo para o ser. A começar pelo seu elenco de luxo: Tom Hardy, Michelle Williams e Riz Ahmed. Mas primeiro que tudo, o que nos conta o filme?

Eddie Brock (Tom Hardy) é um repórter de televisão, que se foca na investigação dos males da sociedade, questionando os responsáveis pelos desastres sociais ou ambientais. Uma noite decide cuscar o computador da sua noiva Anne (Michelle Williams) e descobre uns documentos secretos sobre Carlton Drake (Riz Ahmed). O seu caminho vai de encontro com as descobertas das missões de exploração espaciais, e mais precisamente, com os symbiotes (parasitas). Nada corre como previsto, pois, Eddie vê-se possuído por um dos parasitas, nomeado Venom.

Doeu-me ver esta longa-metragem. Provavelmente todos viram e ouviram falar das suas críticas negativas pela imprensa. No entanto, a audiência pareceu-me agradavelmente positiva perante a obra. Não foi o meu caso. Aliás, detestei. Eu explico.

Quiseram fazer um filme Venom sem o Spider-Man? Por mim tudo bem, pareceu-me estranho, mas tudo bem se a história for interessante… Quiseram fazer um filme Venom P-13 em vez de R-Rated? Por mim tudo bem, se fosse justificado e bem executado. Quiseram fazer um filme Venom cómico, engraçado, amigo, conselheiro de relações amorosas e salvador do mundo? Há limites, isso não!

Todos os fãs ficaram desapontados com a versão que nos apresentou Sam Raimi em Spider-Man 3 ­– também estou inserido. Garanto-vos que naqueles 20 minutos mal explorados, a personagem está mais bem conseguida e interessante do que nesta 1h30 de filme.

A realização de Fleischer não me causou problemas, pelo contrário, achei-a bem executada. Assim como a fotografia - as cenas de noite estão bem iluminadas, há fumo, mistério, uma bonita cidade de San Francisco e um belo look. Não tenho nada a apontar. Também não tenho nada a dizer sobre a banda sonora, pois, não a ouvi, de tão esquecível que é. O CGI também não é nada brilhante.

Os atores. Enfim. Sou fã do trabalho de Tom Hardy. É um ator que sabe escolher os seus papéis – desde Inception (2010), The Dark Knight Rises (2012), Mad Max: Fury Road (2015), The Revenant (2015), Dunkirk (2017) ou na série Taboo (2017-). O que é que este ator veio fazer para este projeto? Dizem que é para agradar o seu filho – fã incondicional da Marvel e da personagem Venom. Hardy não tem uma boa performance, está constantemente em overacting. É literalmente um looser, como tanto o diz na longa-metragem. Há certamente cenas que me fizeram rir, pelas suas conversas estúpidas com o Venom – que lhe fazem comer nuggets crus ou lagostas vivas num restaurante. Hilariante… Não sei se foi a visão do realizador, mas não gostei da interpretação do ator britânico.

A Michelle Williams, pareceu-me não perceber no que estava a participar! Podia ser qualquer outra pessoa no seu lugar. Coitada, a sua personagem está tão mal escrita, que não me admira o seu pouco interesse. Estamos longe da sua atuação em Manchester By the Sea (2016). Riz Ahmed é provavelmente dos antagonistas menos interessantes do ano. É o típico vilão, rico, chefe de uma empresa que faz experiências para salvar o nosso planeta que está à beira do caos – todavia, não vejo qualquer problema com o planeta durante o filme. Parece-me estar tudo bem…

O que mais me deixou perplexo foi o argumento. Há uma incoerência a cada 10 minutos de filme. O mundo à beira do fim – não se vê no filme. As experiências com os symbiotes, que não se conseguem adaptar a todos os humanos – matando maioria das experiências – mas que depois qualquer um pode ser possuído por um parasita, não sendo afetado…Como é um caso de uma senhora durante 6 meses, uma criança, um cão ou a Anne.

Consigo aconselhar à audiência que procura um entretenimento. O filme tem um bom ritmo e poderão passar um bom serão se quiserem ver um blockbuster de ação.

Como perceberam, foi uma grande desilusão. Foram demasiadas as más escolhas para um filme com pés e cabeça. Não aconselho a todos os fãs das BD’s, da personagem do Venom e do universo do Spider-Man. Infelizmente, foi um sucesso nas bilheteiras, e uma sequela já foi confirmada.


por Alexandre Costa