Inscreve-te e tem vantagens!

The Empire Strikes Back(1980)

Há 2 meses | Ação, Aventura, Fantasia, | 2h4min

de Irvin Kershner, com Mark Hamill, Harrison Ford, Carrie Fisher, Billy Dee Williams, Alec Guinness, Frank Oz e David Prowse


Pode parecer improvável nos dias de hoje, mas na altura, George Lucas ainda era um jovem modesto e estava ciente das suas limitações artísticas. Como referi na minha crítica de Star Wars IV: A New Hope (1977), Lucas é um excelente contador de histórias, mas um mediano realizador. Exausto das filmagens do precedente filme, o criador da saga não hesitou em contratar uma equipa de nomes talentosos, capazes de dar vida ao seu bebé. É aí que entra em jogo a dupla de argumentistas Lawrence Kasdan e Leigh Brackett, sob a realização do experiente Irvin Kershner. Bingo! The Empire Strikes Back é considerado como o melhor filme da saga, como também, uma verdadeira obra-prima do cinema.

O que nos conta o filme?

A destruição da Death Star não impediu o Império de manter o seu domínio em toda a galáxia. Numa primeira luta no planeta Hoth, os rebeldes são forçados a fugir, após sofrerem ataques das tropas imperiais. A princesa Leia (Carrie Fisher), o Han Solo (Harrison Ford), o C-3P0 (Anthony Daniels) e o Chewbacca (Peter Mayhew) seguem para Bespin, a cidade das nuvens governadas pelo enigmático Lando Calrissian (Billy Dee Williams), um ex-colega de Han. Do seu lado, Luke (Mark Hamill) acompanhado pelo R2-D2, seguem as instruções dadas pelo Obi-Wan (Alec Guinness) e vão para o sistema Dagobah, um estranho pequeno planeta, onde terão de procurar o último e mítico Jedi, Master Yoda (Frank Oz). Entre o seu treino para se tornar um Jedi, as mentiras do passado e o perigo que correm os seus amigos, Luke terá de interromper o seu treino e enfrentar a sós o Darth Vader (David Prowse) …

The Empire Strikes Back opta por separar o grupo de protagonistas após a primeira meia hora e faz-nos seguir a aventura de cada um até ao ato final. Há uma profundidade na escrita nas personagens – destaque para Han Solo e Darth Vader. O vilão mais emblemático da História do Cinema está mais aterrorizante do que nunca e muito se deve à nova composição de John Williams – The Imperial March. Lentamente é-nos dado novas informações sobre este misterioso antagonista.

Mais complexo, este segundo filme tem um ritmo incrível, para nos deixar agarrados a um clímax com uma extrema força. Desenvolve todas as ideias iniciadas e propõe-nos surpreendentes novos arcos narrativos.

O filme está carregado de cenas emblemáticas que ficaram para sempre na história: todo o treino com o Master Yoda; o romance entre Leia e Solo; o background do Luke; o confronto de lightsabers entre o Darth Vader e o jovem Skywalker. E principalmente, a revelação final sobre a conexão dos dois.

Este Star Wars é mais do que um simples blockbuster. Há um amor em criar um entretenimento de grande qualidade. Um fresco épico que parece ter saído das obras de Shakespeare. É dark, faz-nos rir, chorar e sonhar. Ficamos agarrados à tela e não queremos que o filme termine. É magnífico. Imagino na altura, o quão duro foi de esperar pela sequela Star Wars: Episode VI – The Return of the Jedi (1983).

Star Wars: Episode V - The Empire Strikes Back é a obra-prima da saga criada por George Lucas. Ainda hoje continua de fazer sonhar milhões de fãs. É fascinante, emocionante e extraordinariamente bem escrito. Faço parte da malta que tem uma sweat com a cara do Darth Vader escarrapachada no peito com a frase: “I’M YOUR FATHER”. Só por isso justifica-se o 10.


Alexandre Costa
Outros críticos:
 Rafael Félix:   10
 Rafaela Boita:   10
 Bernardo Freire:   10