Inscreve-te e tem vantagens!

Interstellar(2014)

Há 2 anos | Aventura, Drama, Sci-Fi, | 2h49min

de Christopher Nolan, com Matthew McConaughey, Anne Hattaway, Jessica Chastain, Michael Caine e Matt Damon


Interstellar, um filme de Christopher Nolan, estreou nas salas de cinema em 2014 mas tenho de confessar que só dois anos depois tive coragem de o ver. Apesar de ser o meu estilo de cinema de eleição – a ficção científica num mix de aventura, ação e suspense –, as suas longas três horas de duração foram sempre um obstáculo. Sejamos honestos, uma longa-metragem de aproximadamente 180 minutos tem, quase obrigatoriamente, de ser espetacular para prender um espetador por completo. Pelo menos a mim, se um filme não me cativar ou não me estiver a prender durante a primeira hora, torna-se um flop e torna-se altamente improvável visualizá-lo até ao fim.

No entanto, ainda bem que esperei longos 24 meses para dar uma oportunidade a este filme porque – e quem o viu compreenderá isto – é um projeto que não pode ser visto só porque sim. Todo o trabalho que Christopher Nolan e a sua equipa tiveram para criar Interstellar tem de ser apreciado de uma maneira muito especial e o espetador tem, realmente, de estar preparado para o que vai ver. Terá de estar preparado para todo aquele enlace e volte-face que a história nos proporciona.

E para terem um real noção do que achei desta longa-metragem, cito o site magazine-hd.com: “Interstellar” é uma obra de arte, apesar de não ser perfeito. A atenção e detalhe dados a cada momento por Christopher Nolan fazem com que nenhum minuto da sua longa duração pareça desnecessário.

Ora nem mais, este filme de Christopher Nolan é, sem dúvida uma obra de arte! Fantástico! Brilhante! É, sem dúvida, um candidato a melhor filme do século XXI até à data e fico feliz por não ser o único a dizê-lo visto que vários sites conceituados e críticos do mundo do cinema tenham dado essa sugestão de igual forma.

Porém, e como não poderia deixar de ser, não é perfeito e recebeu algumas críticas. Eu compreendo todas as críticas que foram feitas sobre o projeto de Nolan, mas há uma em particular que me fez rir. Sim, rir. Interstellar recebeu duras críticas pelos amantes de agricultura porque, segundo eles, não mostra realidade na maneira de fazer esta arte. E atenção que eu dou valor a todas as artes que existem e tento compreendê--las sempre da melhor forma. No entanto, acho absurdo o filme receber críticas porque não é realista o suficiente na maneira como falam da agricultura e como a fazem – só para nos situarmos, em Interstellar, o mundo está devastado e tem várias e intensas tempestades de poeira; além disso, a fome aperta e depois da Universidade a única hipótese para os estudantes é tornarem-se agricultores para ajudarem a impedir o mundo de morrer à fome.

Alguém tem de relembrar a quem criticou o filme por estes motivos que não passa de isso mesmo: um filme. E na 7ª arte, muitos são os aspetos que fogem à realidade para dar mais impacto ao drama e à própria história. Aqui não é mais que isso, não significa que Christopher Nolan tenha querido ironizar a agricultura ou que ele e a sua equipa não tenham despendido tempo suficiente a pesquisar sobre como se cultiva.

Falemos agora do desempenho das personagens…

Achei magnífico o papel de Matthew McConaughey que interpretou o protagonista Cooper. No início do enredo é nos dada a sensação de que Cooper é um pai desleixado e uma pessoa frustrada por não conseguir seguir o seu sonho. Cooper é um engenheiro aeronáutico que foi forçado a tornar-se agricultor pelos motivos que já falámos.

Anne Hathaway, no papel de Amelia Brand, esteve também muito bem e penso que o seu papel era colocar neste filme algum sentimento que poderia passar despercebido com as restantes personagens porque esta longa-metragem foca-se no sacrifício e no amor pelos outros e deixa um pouco de lado o amor próprio, e nesse sentido, Amelia Brand foi um grande mais.

Em relação a todos os outros personagens, é difícil avaliá-los de igual forma porque no filme passam-se décadas no planeta Terra enquanto que, para os astronautas que vagueiam por outros sistemas, passam apenas 2 anos.


Só para termos uma breve noção, Murphy Cooper, a filha do protagonista, é interpretada por três atrizes diferentes: Mackenzie Foy na infância, Jessica Chastain na idade adulta – e na maior parte do filme – e Ellen Burstyn na 3ª idade. Tom Cooper é outra personagem que é interpretada por vários atores.

Para mim, dois grandes personagens foram TARS e CASE, os dois robôs pertencentes às naves espaciais. Conseguiram colocar uma grande variedade de sentimentos tanto nas restantes personagens como nos espetadores. Houve tempo para humor, drama, preocupação e sacrifício por parte destas personagens.

No início deste artigo, falei que os espetadores tinham de estar preparados para os volte-faces deste enredo. Para mim há três momentos que entram nesse parâmetro: é a descoberta de Cooper depois de entrar num buraco negro – penso que ninguém realmente esperasse o que aconteceu e essa parte mostra o quão pensado e repensado foi o projeto por Christopher Nolan – outro é, sem dúvida, Dr. Mann, a personagem interpretada pelo conhecido Matt Damon.

O Planeta Dr. Mann era o único que continuava a transmitir o sinal para a Terra depois das expedições e a equipa de Cooper e Brand optam, numa última tentativa, por deslocar-se para lá. E na verdade, reencontram-se com o Dr. Mann que explica atenciosamente o que descobriu por lá e afirma que, apesar de gélido, o planeta é habitável – bem, ao fim de contas era esse o grande objetivo da NASA ao enviar equipas de astronautas à deriva no espaço universal.

No entanto, a personagem interpretada por Matt Damon acaba por trair Cooper deixando-o para morrer no meio de nenhures, confessando ainda que teria mentido e que o planeta não era, de todo, habitável e ainda que só continuou a transmitir para que alguém o viesse resgatar. Estas ações do Dr. Mann acabam por tirar a vida a duas personagens e mais tarde, até dele mesmo. Mann rouba a nave espacial usada pela equipa de Cooper para fugir do planeta sozinho, no entanto não foi capaz de acoplar a nave e a mesma acabou por se desintegrar no espaço, matando Dr. Mann. E esta ação fez com Cooper e Brand ficassem presos no planeta Dr. Mann com uma nave que era usada apenas para navegar dentro dos planetas e não fora deles. Sem hipótese de algo mais, acabam por arriscar as suas vidas saindo do planeta.

Mais tarde, Cooper percebe que a nave não tem capacidade para sustentar dois astronautas seja a nível de oxigénio ou a nível de mantimentos para o tempo que a viagem de regresso iria durar e acaba por se sacrificar e abandonar Brand dizendo-lhe para que ela terminasse o trabalho que a equipa tinha começado.

E é aqui que se dá o outro volte-face do filme. Mas este, em concreto, não iriei dar opinião porque é apenas o real motivo por ter dito que este filme é uma obra de arte. Veja por si.

O final do filme, para mim, é fraco tendo em conta a enorme qualidade que vinha a ser apresentada até então. Aqueles últimos 10 minutos deixam os espetadores com a sensação de que um grandioso projeto como é Interstellar, merecia mais… Faltou a tal brilhante conclusão.

O filme termina com Cooper, numa estação espacial em Saturno, a roubar uma nave para ir em busca de Amelia Brand que foi para o último planeta da missão inicial.

Este final é incerto. Se por um lado não é conclusivo e deixa a porta aberta para uma possível sequela, por outro apenas Cooper e Brand sobreviveram. Na minha opinião, não só há material para produzir uma continuação como para produzir uma prequela (termo não pertencente a dicionários, usado para se referir a uma obra narrativa que antecede a inaugural). Digo isto porque seria muito interessante ver o que aconteceu nas primeiras 12 expedições da NASA antes da equipa de Cooper ter partido.

Seja como for, este filme é um dos grandes nomes do século XXI e marca, sem sombra de dúvidas, pela positiva a carreira de Christopher Nolan, bem como de todos os integrantes do projeto.

E você? O que achou desta longa-metragem protagonizada por Matthew McConaughey?


Pedro Horta
Outros críticos:
 Alex Duarte:   9
 Pedro Freitas:   9
 Sara Ló:   7
 Rui Lourenço:   9
 Alexandre Costa:   10
 Rafaela Teixeira:   8
 Rafael Félix:   8
 Pedro Quintão:   9
 Filipe Lourenço:   8