Inscreve-te e tem vantagens!

BoJack Horseman(2014)

Há 2 anos | Animação, Comédia, Drama |

de Raphael Bob-Waksberg, com Will Arnett, Alisson Veloso, Aaron Paul, Steven A. Cohen e Noel Bright


BoJack Horseman, que é mais uma produção exclusiva da Netflix, é uma interessante sátira ao culto à celebridade, feita em forma de uma sitcom e desenho animado.

Cheguei até esta série, como tem sido hábito ultimamente, por mero acaso. Fiquei ligado à série instantaneamente, uma espécie de amor à primeira vista. Tanto que vi 5 episódios (cada um tem em torno de 25 minutos) seguidos!

 

BoJack (voz de Will Arnett), que vive num mundo em que seres humanos vivem lado-a-lado com animais antropomorfizados, é um cavalo (literalmente!), ator de 40 e poucos anos, que ficou milionário e conhecido por interpretar apenas um personagem numa série de TV há 20 anos (Horsin’ Around). Para voltar à ribalta, resolve trabalhar com uma escritora humana (Diane Nguyen, voz de Alison Brie) para escrever a sua biografia.



 

BoJack vive com Todd Chavez (voz de Aaron Paul, de Breaking Bad), um humano que simplesmente foi para uma festa em casa do cavalo e nunca mais saiu de lá. A sua agente, a gata (a sério, é mesmo uma gata) Princesa Carolyn (voz de Amy Sedaris), tenta recolocar BoJack no difícil mundo hollywoodiano, mas o BoJack é cavalo demais para permitir isso (pun intended). BoJack sofre da efemeridade do sucesso, num mundo onde tão depressa se é famoso como se o deixa de ser (tantas celebridades reais que se enquadram aqui), mas também é culpado pela forma como gere a sua vida. No entanto, há uma filosofia muito interessante acerca de BoJack, como podem ver aqui (contém spoilers). Muito resumidamente, o cavalo é um existencialista niilista, ou seja, acredita que as coisas existem porque sim. A vida, dessa forma, não tem valor intrínseco, dado ser o resultado de meros acasos. Acreditem, poderia ficar aqui a escrever um texto sobre a filosofia de BoJack, mas esse não é o ponto. O ponto é que a série é engraçada, recheada de referências culturais e, por vezes, desafia ideias pré-concebidas ou, se preferirem, o famoso senso comum (o confronto entre o BoJack e o Navy Seal retrata muito bem este meu ponto).

 

A série tem um potencial muito interessante e, apesar de ter momentos menos engraçados, continua a ser uma série que recomendo (até Os Simpsons têm episódios menos engraçados). Uma aposta certeira da Netflix, que já conta com 3 temporadas e uma 4ª já anunciada. Ah, uma nota, a série vai apelar aos vossos sentimentos em determinados pontos – don’t say I didn’t warn you.


Alex Duarte
Outros críticos:
Nenhum autor votou nesta crítica.